Histórias de sucesso

Histórias de sucesso #49: Matheus Oliveira de Souza – TJCE e TJPB

Olá pessoal!

Hoje o histórias de sucesso é com Matheus Oliveira de Souza, aprovado no TJCE  e no TJPB!

Ele nos concedeu a entrevista que segue:

Nome: Matheus Oliveira de Souza

Data de nascimento: 19.06.1986

Naturalidade: Salvador-BA

01 – Concurso(s) para magistratura qual(is) foi aprovado:

R: TJPB e TJCE (subjudice)

02 – Outros concursos em que foi aprovado:

R: Somente fiz concursos para magistratura estadual.

03 – Período de estudos até a primeira aprovação em concursos de magistratura:

R: 01 ano e 06 meses

04 – Trabalhou durante os estudos? Cargo?

R: Durante todo o período de estudos sempre trabalhei exercendo a função de Assessor de Desembargador, no Tribunal de Justiça do meu Estado.

Na verdade, mesmo que às vezes seja um pouco cansativo chegar em casa e iniciar os estudos depois de um dia puxado de trabalho, para mim sempre funcionou melhor do que ficar por conta apenas dos livros, em período integral. Cada qual sabe sua realidade e deve levar em conta os prós e os contras de estudar em tempo exclusivo ou compartilhar a rotina com alguma outra atividade profissional.

05 – Tempo médio de estudos diário:

R: Em média 04 horas por dia; quando havia alguma prova próxima sempre tentava esticar um pouco mais os estudos.

06 – Quantas matérias diferentes lia por dia? E em uma semana?

R: Despois de muito penar na busca por um método perfeito (rs), acabei estabelecendo uma rotina que deu certo pra mim: estudava 02 matérias por dia, sempre procurando unir temas afins (penal e processo penal, por exemplo), seguindo a ordem durante a semana, de modo que sempre dava para estudar e revisar as matérias dentro de um espaço de tempo relativamente curto.

Na semana então acabava por enfrentar todas as matérias, sempre também reservando um dia, se fosse o caso, para estudar algo que tivesse mais dificuldade, o que ocorria nos finais de semana. 

07 – Estudava sábados/domingos/feriados?

R: Como sempre trabalhei durante a semana, utilizava as manhãs dos sábados e domingos – sempre 04 horas por dia, nunca mais do que isso – para estudar.

Depois de que fizesse minhas 04 horas, aproveitava bastante meus finais de semana, tomava minha cervejinha, saia com meus amigos, enfim, dava uma relaxada mesmo.

Ressalvo apenas as épocas de provas importantes, como discursivas próximas ou mesmo um concurso que tinha mais interesse, quando então geralmente puxava mais o estudo nos sábados e domingos.

08 – Utiliza grupos de facebook/whatsapp para estudar? Acredita que valha a pena?

R: Utilizei muito pouco. Na verdade, apenas quando passava às fases seguintes de determinado concurso participava desses grupos mais para trocar informações e buscar materiais. No geral, como fonte de estudo ordinária, não usava muito.

09 – Fazia resumos/cadernos ou utilizava algum feito por outras pessoas?

R: Utilizei muito os cadernos digitados da LFG que os colegas compartilhavam. Realmente me ajudaram muito, principalmente em matérias que não eram do meu dia-a-dia como Penal e Processo Penal. Também buscava materiais em sites de concurseiros com esquemas e alguns resumos que ajudavam também.

Fazia poucos resumos, apenas nos temas que tinha mais dificuldade, como forma de fixar mesmo. Achava que perdia muito tempo resumindo e, como tinha tempo curto, o custo benefício pra mim não era muito legal.

10 – Fazia revisões do estudo? Com qual frequência?

R: Aproveitava as manhãs de sábados e domingos para revisar a matéria que tinha visto durante a semana. Procurava sempre ler também o mesmo material de estudo que tinha como fonte, para fixar os assuntos.

11 – Com qual frequência fazia exercícios para prova objetiva?

R: Olha, aqui está meu calcanhar de aquiles…rs

Meus piores desempenhos sempre foram em provas objetivas, minha maior dificuldade. Fiz quase 20 concursos para magistratura e só consegui passar em 03 primeiras fases (TJCE, TJPB e TJSP). É importante dizer isso de forma bem sincera, porque muitas vezes ouvia dos colegas mais experientes que quando você passava na primeira, passaria fácil em quase todas as seguintes. Comigo não foi bem assim…rs. Cada prova é uma prova. Tá certo que fiquei por 01 questão em 04 provas, mas era bem frustrante bater na trave por tantas vezes.

Como consegui passar na primeira prova objetiva apenas 04 meses depois de ter iniciado meus estudos de maneira séria, achei que seria “tranquilo” ter sucesso nas seguintes. Na verdade, depois de passar nessa primeira prova objetiva, só fui passar em outra 01 ano e 02 meses depois. Enfim, mesmo treinando bastante, tinha essa dificuldade. Por isso é importante não nos compararmos com ninguém e acreditar no nosso potencial.

12 – Com qual frequência lia “lei seca”?

R: Lia bastante, sempre mesclando com a resolução de questões e os informativos, principalmente quando na proximidade de provas objetivas, minha maior dificuldade.

13 – Com qual frequência lia jurisprudência? Lia diretamente dos sites dos Tribunais Superiores ou através de outros sites (como dizer o direito ou EBEJI)?

R: Lia rotineiramente também. Depois que conheci o Dizer o Direito, não parei mais. Inclusive, o Livro foi verdadeiramente fundamental para as minhas duas aprovações em provas discursivas. Simplesmente metade das provas, praticamente, eu tinha visto as respostas no Livros dos julgados. Nas fases objetivas da CESPE é imprescindível também a leitura dessas jurisprudências. Particularmente, facilita muito pra mim a leitura na forma como o conteúdo é disposto no site do Dizer o Direito.

14 – Indicaria algum curso online com foco em magistratura/carreiras jurídicas?  Indicaria algum curso de oratória para a fase oral?

R: Não fiz nenhum curso on line para magistratura, salvo um específico de 04 encontros por skype para resolução de sentenças – nunca tinha visto uma sentença criminal na vida – com uma juíza do DF chamada Fabiana Perillo – CPIuris (excelente) e o Emagis para treinar questões, mas esse último confesso que não foi muito proveitoso.

Para fase Oral indico muito o curso da Rogéria Guida, no Rio de Janeiro. Quem puder fazer, faça. As duas provas orais que fiz, a semana que passei lá foi fundamental. Eles tem o esquema de você pagar um valor e poder voltar lá quantas vezes quiser. Comigo, por sorte, deu pra eu retornar lá nesse intervalo para fazer as duas provas orais, que aconteceram dentro desse período de 01 ano, de modo que foi muito bom.

15 – Indica algum método diferenciado de estudos para alguma das fases (objetiva/discursiva/sentenças/oral)?

R: Para objetiva, não tem muito segredo: é focar na resolução de questões, lei seca e informativos. Dando bastante ênfase nas matérias que você tem mais dificuldade.

As discursivas e sentenças o diferencial é treinar, bastante. Como no meu dia-a-dia eu redijo decisões, por conta do trabalho, ao mesmo tempo que facilitou muito, também atrapalhou; às vezes a rotina nos impõe alguns vícios que, em provas de concurso, não podem acontecer. A coisa tem de ser muito técnica, sem ser também téorica demais.

Prova oral também não tem para onde fugir, é investir em algum curso – se possível – e treinar muito com os colegas/amigos. Treinava bastante por skype com colegas e isso naturaliza demais todo o processo.

16 – Estudava a banca/examinadores responsável pela elaboração das provas da segunda fase em diante?

R: Isso depende muito do concurso. Em São Paulo, por exemplo, a Segunda Fase é toda elaborada pelos membros do Tribunal, então não tem pra onde correr: os caras cobram os próprios julgados, então tem de conhecer os entendimentos deles. Já os outros dois concursos que fiz, a prova foi realizada pela organizadora mesmo, de modo que o foco era mais no entendimento dos Tribunais Superiores.

17 – Se o tribunal é responsável pela elaboração das sentenças e tem um posicionamento diverso do pacificado nos Tribunais Superiores, adotaria qual posicionamento?

R: Sem vergonha nenhuma, em provas eu adotaria, em uma situação dessas, o entendimento do examinador, sem dúvidas; ressalvando a existência da compreensão diversa pelos Tribunais Superiores.

                                                   BIBLIOGRAFIA

Quais livros/autores ou cursos/cadernos indicaria para os estudos nas matérias abaixo (se possível, especificar o professor de cada matéria nos cadernos/cursos):

Direito Administrativo –

Direito Ambiental – Resumo do Podivm do Frederico Amado

Direito Civil –

Direito Constitucional –

Direito do Consumidor –

Direito do Eleitoral – Resumo do Podivm do Jaime Barreiros

Direito Empresarial –

Direito da Criança e do Adolescente –

Direito Penal – Parte Geral –

Direito Penal – Parte Especial do Código Penal –

Direito Penal – Legislação extravagante –  

Direito Processual Civil –

Direito Processual Penal –

Direito Tributário – Manual do Ricardo Alexandre

Humanística –

Sentença Cível –

Sentença Penal – Sentença Penal Condenatória de Ricardo Schimitt

Qualquer livro/curso que indique para o concurso que não se encaixa nas matérias acima: Indico muito o livro de questões do Juspodivm, para Magistratura Estadual, Revisaço e o Site Questões de Concurso.

 É isso! Até a próxima!

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s