Histórias de sucesso

Histórias de sucesso #60: Romulo Garcia – TJAM

Olá pessoal!

Hoje o histórias de sucesso é com Romulo Garcia, aprovado no TJAM!

Ele gentilmente nos concedeu a entrevista que segue:

Nome: Romulo Garcia Barros Silva         

Data de nascimento: 07/11/83        

Naturalidade: Rio de Janeiro        

01 – Concurso(s) para magistratura qual(is) foi aprovado:

R: TJAM – 2016

02 – Outros concursos em que foi aprovado:

R: Inspetor da Policia Civil do Rio de Janeiro, mas não tomei posse.

03 – Período de estudos até a primeira aprovação em concursos de magistratura:

R: 4 anos

04 – Trabalhou durante os estudos? Cargo?

R: Sim. Trabalhei durante todo o período de estudos na iniciativa privada (Ipiranga Produtos de Petróleo). Na época da aprovação exercia o cargo de Coordenador Jurídico do Estado de São Paulo.

05 – Tempo médio de estudos diário (horas líquidas):

R: Tentava manter a média de 5 a 6 horas diária. Acordava 4 da manhã todos os dias e estudava até a hora de ir trabalhar, por volta das 8.

Chegava em casa do trabalho por volta das 20 horas e ia até a hora que o corpo aguentasse. 

06 – Quantas matérias diferentes lia por dia? E em uma semana?

R: Em regra, 2 matérias por dia e tentava durante a semana visitar todas do edital da Magistratura.

07 – Estudava sábados/domingos/feriados?

R: Como sempre tive uma carga de trabalho semanal pesada, tentava compensar estudando pelo menos 8 horas nos sábados, feriados e férias.

Aos domingos eu tinha como hábito começar por volta das 8/9 da manhã e estender um pouco a hora do almoço, ficando com a parte da tarde livre para dedicar a minha família.

Entretanto, quando chegou a fase mais acentuada do concurso passei a também dedicar o domingo integralmente aos estudos.

08 – Utiliza grupos de facebook/whatsapp para estudar? Acredita que valha a pena?

R: Sim. Participei de um grupo fechado no Facebook (TJ-RJ MAgis) e de um Grupo de Áudio no Whatsapp (Magis em Áudio).

Como esses grupos são restritos e com pessoas altamente preparadas e focadas, acredito que tenham sido válidos em minha trajetória.

Nos últimos meses trabalhei em São Paulo e retornava ao Rio todo final de semana e durante o voo ou espera nos aeroportos sempre aproveitava para ouvir os excelentes áudios gravados pelos colegas.

Além disso, nas fatídicas 24 horas da prova oral, os colegas do grupo de áudio se mobilizaram e gravaram diversos áudios e separaram julgados para me auxiliar.

Entretanto, como tudo na vida, é preciso saber dosar a utilização dessas ferramentas para que sejam suas aliadas e não mais uma distração.

09 – Fazia resumos/cadernos ou utilizava algum feito por outras pessoas?

R: Em regra, eu utilizei os mesmos livros durante minha trajetória. Para facilitar a revisão da leitura formava 1 ou 2 frases em sublinhado para destacar a principal ideia daquela pagina e escrevia a lápis no rodapé mais uma frase que sintetizasse todo o pensamento ali contido. Alterações jurisprudenciais e legislativas também eram objeto de anotação no próprio livro.

10 – Fazia revisões do estudo nos moldes propostos por coachings (24h, 48h, 7 dias etc)? Com qual frequência?

R: Não. Tentei em algumas oportunidades, mas essa metodologia não funcionou comigo.

11 – Com qual frequência fazia exercícios para prova objetiva?

R: Diariamente. Eu utilizava o estudo pela parte da manhã para leitura de lei seca e doutrina e no período da noite, como estava mais cansado, deixava para a parte que eu sempre gostei mais que era fazer exercícios e estudar a jurisprudência.

12 – Com qual frequência lia “lei seca”?

R: Eu lia lei seca de acordo com a matéria que havia enfrentado na doutrina, de modo que quase todos os dias fazia esse tipo de estudo.

Uma metodologia que utilizei para tornar esse estudo menos enfadonho foi passar a analisar a lei com os olhos da figura que mais utiliza aquele instrumento.

Por exemplo ao ler inquérito policial me imaginava um delegado de policia presidindo aquele procedimento e fazia a leitura objetivando extrair dali todo o conteúdo necessário para “meu trabalho”.

13 – Com qual frequência lia jurisprudência? Lia diretamente dos sites dos Tribunais Superiores ou através de outros sites (como dizer o direito ou EBEJI)?

R: Eu criei um hábito na minha jornada de trabalho que consistia em consultar os sites do STJ e STF ao chegar e ao voltar do almoço para ler as notícias que estavam na página principal desses sites.

Essa rotina toma apenas poucos minutos e com o tempo você observa que quase todas aquelas notícias são veiculadas nos Informativos posteriormente.

Então, assim que publicado o Informativo pelo Tribunal eu fazia a leitura e aguardava o Dizer o Direito Completo para sanar eventuais dúvidas sobre os julgados.

Por fim, utilizo o Vade Mecum de Jurisprudência do Dizer o Direito para revisão dos Julgados. Caso nessa leitura eu não conheça e/ou não lembre os fundamentos daquela decisão volto no completo e já faço a anotação no Vade para futuras revisões.

14 – Indicaria algum curso online com foco em magistratura/carreiras jurídicas?  Indicaria algum curso de oratória para a fase oral?

R: Não fiz nenhum curso on line.

Para a prova oral fiz o curso da Rogéria Guida e acredito que tenha sido de grande valia não só para essa fase do certame, bem como para toda a carreira.

15 – Indica algum método diferenciado de estudos para alguma das fases (objetiva/discursiva/sentenças/oral)?

R: Acredito que o estudo deve ser realizado desde o início com profundidade suficiente para te colocar em condições de enfrentar qualquer fase do certame, pois acredito ser impossível aprofundar os temas em todas as disciplinas em apenas 3 meses.

Nas fases mais agudas dos concursos, acredito que valha a bagagem de estudos que você criou durante toda a sua jornada, sendo aqueles meses finais apenas um polimento e direcionamento para a fase que você vai enfrentar.

16 – Estudava a banca/examinadores responsável pela elaboração das provas da segunda fase em diante?

R: Sim. Acredito ser primordial e por isso participava de grupos para análise do currículo e dos julgado dos examinadores para conhecer os temas que ele mais estudaram academicamente, os que mais enfrentam no seu dia-dia e como pensam, bem como se possuem algum entendimento pessoal divergente dos Tribunais Superiores.

Como ensina o livro Sun Tzu – A Arte da Guerra: ” Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória obtida sofrerá também uma derrota.Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas.”

17 – Se o tribunal é responsável pela elaboração das sentenças e tem um posicionamento diverso do pacificado nos Tribunais Superiores, adotaria qual posicionamento?

R: Eu seguiria o posicionamento do Examinador/Tribunal. Entretanto, demonstraria também conhecer a divergência.

18 – Recado para aqueles que ainda estão em busca da aprovação:

R: O caminho até a aprovação em um concurso publico é uma verdadeira maratona.

Para que você não fique pelo caminho lembre sempre onde quer chegar e porque você escolheu essa carreira, pois com um propósito firme é mais difícil nos desviarem da nossa rota.

Acreditem sempre em vocês porque não há nada mais poderoso nesse mundo do que uma mente forte.

Não deixe que as inevitáveis reprovações te desanimem a ponto de desistir. Tenha uma fe inabalável na sua vitória.

Valorizem a caminhada, o processo e tenham em mente dar o seu melhor sempre, que um dia, sem você perceber, a linha de chegada vai estar bem na sua frente.

Nesse momento, ainda que esgotado pela jornada, faça o seu máximo e não deixe que ninguém te tire o seu sonho.

Agradeço a oportunidade e espero ter contribuído para a caminhada de vocês.

                                                     BIBLIOGRAFIA

Quais livros/autores ou cursos/cadernos indicaria para os estudos nas matérias abaixo (se possível, especificar o professor de cada matéria nos cadernos/cursos):

Direito Administrativo – Jose dos Santos Carvalho Filho

Direito Ambiental – Frederico Amado – Juspodivm

Direito Civil – Tartuce – Volume Único

Direito Constitucional – Pedro Lenza

Direito do Consumidor – Leonardo Garcia

Direito do Eleitoral – Sinopse Juspodivm

Direito Empresarial – André Santa Cruz

Direito da Criança e do Adolescente – Sinopse Juspodivm

Direito Penal – Parte Geral – Rogério Greco

Direito Penal – Parte Especial do Código Penal – Rogério Greco

Direito Penal – Legislação extravagante –  Renato Brasileiro

Direito Processual Civil – Daniel Amorim Assumpção Neves – Volume Único

Direito Processual Penal – Renato Brasileiro

Direito Tributário – Sinopse Juspodivm

Humanística – Livros do MOCAM e Noções Gerais de Humanística (Kumpel)

Sentença Cível – Utilizei meus materiais da época da EMERJ.

Sentença Penal – Utilizei meus materiais da época da EMERJ.

Qualquer livro/curso que indique para o concurso que não se encaixa nas matérias acima:

Todos os Livros do Dizer o Direito são ótimos e cada dia mais o estudo e conhecimento da jurisprudência será mais importante para a atuação no dia-a-dia dos magistrados, de modo que igualmente deverá ser mais cobrada dos candidatos.

É isso! Até a próxima!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s